Pular a navegação e ir direto para o conteúdo


Linha de Tendência de Alta

Linha de Tendência de Alta – O que é e quais são seus sinais gráficos

Saiba como traçar a LTA no gráfico de um ativo em tendência de alta. Descubra também quais são os sinais gráficos obtidos ao usar a LTA. Assista!

Risco e Retorno

Relação entre risco e retorno na bolsa de valores

Entenda os conceitos de risco e retorno. Saiba quanto você precisa acertar nas operações baseado na relação entre risco e retorno. Assista!

Regra dos 2%

Regra dos 2% – Quantas ações comprar em uma operação

Saiba qual é a diferença entre os riscos da operação e do capital. Além disso, veja como gerenciar o risco de cada operação sobre seu capital. Assista!

Triângulo Simétrico

Triângulo Simétrico – Saiba como identificar e tirar proveito

Saiba o que é, como identificar no gráfico e tirar proveito operacionalmente desta figura de continuidade. Assista!

Stop

Stop – Saiba como controlar o risco de uma operação

O que é o Stop? Em que ponto posicionar o Stop após entrar em uma operação? E quais as formas de acionamento? Assista!


Blog

18.03.2008 | 0:58

Em ação os bombeiros: FED e JP Morgan

Publicado na(s) categoria(s) Mercado, por Dalton Vieira

Nesta segunda-feira (17) as bolsas de valores abriram a semana “assustadas” com o desenrolar da crise de crédito norte-americana. Assim como na sexta-feira (14) o centro das atenções foi o Bear Stearns, 5o maior banco de investimentos dos EUA, que foi comprado pela JP Morgan. Cada título do “quebrado” Bear Stearns foi comprado por apenas 2,00 dólares (no ano passado valia 129,00 dólares), conforme destacado pela JP Morgan em comunicado.

O ex-presidente do banco central americano (Fed), Alan Greenspan, afirmou em editorial publicado nesta segunda-feira no Financial Times que a crise atual pode ser considerada a mais grave desde a Segunda Guerra mundial.


JP Morgan compra Bear Stearns e Fed abre empréstimos

NOVA YORK (Reuters) – O JP Morgan Chase fechou um acordo para comprar o rival Bear Stearns a um preço irrisório, enquanto o Federal Reserve ampliou os empréstimos ao mercado pela primeira vez desde a Grande Depressão.

O noticiário é o maior sinal até agora de quão devastadora é a crise de crédito para Wall Street e jogou o dólar ao patamar mínimo histórico frente ao euro, derrubou as ações na em todo o mundo e impulsionou o ouro.

Crédito interbancário trava;bancos perguntam “quem é próximo?

LONDRES (Reuters) – As operações financeiras e os empréstimos interbancários quase foram interrompidos nesta segunda-feira, com os bancos cada vez mais temerosos em negociar uns com os outros após o quase colapso do banco de investimento Bear Stearns e em meio ao rumor de mais uma rodada de ajuda coordenada pelos bancos centrais.

Pessoas ligadas a bancos disseram que estão tendo dificuldades para avaliar os acontecimentos desde que o Federal Reserve de Nova York anunciou, na sexta-feira, que estava auxiliando o Bear Stearns via JPMorgan . A preocupação intensa com a estabilidade e a solvência de outras instituições financeiras secou os volumes no mercado de crédito.

Neste ambiente de bastante pessimismo o Ibovespa fechou o dia (17) em forte baixa de 3,19% (60.011 pontos), acompanhando o desempenho das demais bolsas pelo mundo. O fechamento deste dia “respeitou” o suporte em 59.995 pontos, proporcionado pela mínima do dia 10.

Agora só nos resta aguardar nesta terça-feira (18) mais uma ação do “bombeiro” FED ao anunciar a nova taxa de juros dos EUA às 15:15h (horário de Brasília). Vamos ver se este anúncio acalmará o mercado e animará os compradores.


Até breve!

15.03.2008 | 11:01

IBOV – Análise da Semana: 10 a 14/03

Publicado na(s) categoria(s) Análises Semanais, Ibovespa, por Dalton Vieira


Mercados Agitados

A semana nos mercados foi bem agitada com o Ibovespa registrando uma volatilidade alta. O índice oscilou em média 2.000 pontos por dia no decorrer da semana, o que representa mais de 3% do seu valor atual (61.990 pontos). O último dia da semana foi marcado por notícias preocupantes nos EUA.

Fed organiza socorro ao Bear Stearns, ações despencam

NOVA YORK (Reuters) – O Bear Stearns disse nesta sexta-feira que uma crise repentina de liquidez o forçou a buscar recursos de emergência com o Federal Reserve e o JPMorgan Chase, intensificando o temor sobre o agravamento da crise global de crédito e enxugando praticamente metade do valor de suas ações.

Foi o primeiro socorro de um agente intermediário pelo Federal Reserve desde a Grande Depressão, e a última de uma série de ações para tentar acalmar os mercados financeiros, assustados com o contágio dos problemas provocados pelo aumento da inadimplência nas hipotecas.

Bolsas dos EUA afundam após Bear reacender temor com crédito

NOVA YORK (Reuters) – As bolsas norte-americanas fecharam em forte queda nesta sexta-feira após um plano emergencial de ajuda para o Bear Stearns, orquestrado pelo Federal Reserve, renovar temores sobre a crise do crédito global, gerando massiva venda de papéis nas mesas de negócios.

O índice Dow Jones teve baixa de 1,60 por cento, a 11.951 pontos. O Standard & Poor’s 500 caiu 2,08 por cento, a 1.288 pontos. O Nasdaq retrocedeu 2,26 por cento, a 2.212 pontos.

As ações despencaram após o Fed de Nova York e o JPMorgan Chase apresentarem um plano de financiamento de curto prazo para o Bear Stearns, o quinto maior banco de investimento dos EUA. Antes da abertura do mercado, o Bear Stearns chocou Wall Street quando disse que sua posição de liquidez se deteriorou nas últimas 24 horas.

Mesmo com toda a turbulência o Ibovespa ainda conseguiu fechar a semana em alta de 0,20%, praticamente estável. O Dow Jones fechou a semana em alta de 0,48%, o S&P500 em baixa de 0,38% e a Nasdaq estável 0,0%.


Gráfico Semanal

Nesta semana o Ibovespa respeitou o suporte proporcionado pela média móvel exponencial de 13 períodos (MME13). O candle semanal representa indecisão, praticamente um Doji. De qualquer forma, o não fechamento abaixo da mínima da semana anterior (03 a 07/03) e da MME13 demonstra uma força um pouco maior dos touros (compradores).

Um fechamento acima de 63.036 (máxima da semana) ou 59.995 (mínima da semana) sinalizará um sinal de alta ou da continuidade do movimento de baixa, respectivamente. A região de resistência vai de 64.608 a 66.528 pontos e a de suporte vai de 59.075 a 57.463 pontos, conforme destacado no gráfico acima.


Gráfico Diário

Na minha última análise do Ibovespa, no dia 12, mencionei:

Agora é observar qual será a força dominante (touros ou ursos) nesta região de definição entre as duas médias móveis do gráfico diário e na média móvel exponencial de 13 períodos do gráfico semanal.

Apos os pregões dos dias 13 e 14 a situação não mudou, a indefinição ainda persiste. O candle da sexta-feira (14) representa bem o cabo-de-guerra entre touros e ursos com um certo equilíbrio das forças.

O que pode definir a “vitória” dos touros (compradores) nesta disputa será um fechamento acima dos 63.036 pontos (máxima do dia 12) com um bom volume financeiro. Por outro lado, um fechamento abaixo dos 59.995 pontos com um bom volume financeiro representará a “vitória” dos ursos. Podemos trocar a palavra vitória neste contexto por controle da situação e a partir deste momento operar ou investir a favor da força dominante após a definição.


Decisão do FED


A próxima semana promete ser mais uma marcada pela volatilidade, mas com boas chances de definir o rumo do Ibovespa. O principal fato para esta definição é que na terça-feira (18) às 15:15h (horário de Brasília) o FED anunciará a nova taxa de juros dos EUA. A expectativa do mercado é de mais um corte de 0,5 ponto percentual, o que reduziria a taxa de juros para 2,5 pontos percentuais.

Agora é aguardar para ver a reação do mercado após o anúncio do FED. Será que vamos rumo aos 65.000 pontos ou aos 58.000 pontos?

Bom final de semana. Até breve!

12.03.2008 | 19:31

IBOV – Reação dos touros pára na resistência

Publicado na(s) categoria(s) Ibovespa, por Dalton Vieira

Nesta quarta-feira (12) o Ibovespa confirmou a maior probabilidade de testar as resistências destacadas na análise anterior em torno dos 63.000 pontos. No entanto, ao chegar neste nível a força dos touros (compradores) não foi forte o suficiente para fazer com que ocorresse um fechamento acima deste patamar. Pelo contrário, a força dos ursos (vendedores) foi maior e fez o IBOV fechar o dia em baixa de 0,31% (62.176).

Este é um pequeno alerta para os comprados. Agora é observar qual será a força dominante (touros ou ursos) nesta região de definição entre as duas médias móveis do gráfico diário e na média móvel exponencial de 13 períodos do gráfico semanal.

Um fechamento abaixo de 62.022 e da média móvel de 65 períodos trará implicações baixistas. Já um fechamento acima dos 63.000 pontos trará implicações altistas confirmando a reação do touros exibida no dia 11/03.

Nota

  • Inscreva-se na próxima turma de Brasília/DF. Clique aqui.
  • Reserve sua vaga para a próxima turma em Taubaté/SP. Clique aqui.

Até breve!

12.03.2008 | 17:59

Curso de Análise Gráfica / Técnica – Taubaté/SP

Publicado na(s) categoria(s) Treinamento, por Dalton Vieira

Olá caros amigos investidores,

Conversando com o Hélio e Gustavo, responsáveis pela organização do último curso em Taubaté-SP, os mesmo informaram que há pessoas interessadas em fazer o curso Aprendendo a Operar no Mercado de Ações. Fiquei realmente muito feliz com a possibilidade de retornar a Taubaté/SP, principalmente por demonstrar a satisfação com o treinamento registrada em depoimentos pela turma anterior.

Há uma boa possibilidade do próximo curso ser realizado em meados do mês de abril/2008. Aos interessados em participar desta próxima turma, por favor, enviem um e-mail para blog@daltonvieira.com reservando a sua vaga.

Será um grande prazer encontrá-los pessoalmente!

Grande abraço.
Dalton Vieira
blog@daltonvieira.com

12.03.2008 | 0:42

IBOV – Mãozinha do FED

Publicado na(s) categoria(s) Ibovespa, por Dalton Vieira

Na análise anterior coloquei os gráficos do indicador Clímax do Ibovespa e do MAS (grupo das 15 ações mais negociadas em 2007 na Bovespa) destacando que os mesmos encontravam-se em uma região sobrevendida. Este fato sinalizava oportunidades de compra e uma possível reação do IBOV no pregão desta terça (11) ou da quarta-feira (12).

No entanto, ao final do pregão da segunda-feira (10) nem o mais otimista analista ou investidor pensaria em uma recuperação tão forte. Não confirmando a maior probabilidade de nova mínima para o pregão desta terça-feira o Ibovespa fechou o dia em alta expressiva de 3,95%. O que será que tanto animou os investidores já na abertura dos negócios? Resposta a seguir.

Socorro adicional do Fed alivia e Bovespa sobe 3,95%

SÃO PAULO (Reuters) – Após três sessões seguidas de queda, a Bolsa de Valores de São Paulo teve um dia de forte recuperação nesta terça-feira, copiando o otimismo dos mercados norte-americanos com o anúncio de um socorro adicional do Federal Reserve (Fed) para conter os efeitos da crise de crédito nos Estados Unidos.

Segundo especialistas, a notícia de que o Fed vai injetar cerca de 200 bilhões de dólares nos mercados de crédito atingidos pela crise no setor imobiliário norte-americano, em parceria com autoridades monetárias de diversos países, deu novo ânimo aos investidores.

“O anúncio trouxe de volta à ponta compradora de ações os investidores interessados em barganhas”, afirmou Miguel Daoud, sócio da Global Financial Advisor.

O grande candle de alta acompanhado de um considerável volume financeiro (R$ 4,66 bilhões) aumenta a probabilidade do IBOV testar e romper as resistências mais próximas em torno dos 63.000 pontos. São elas:

  • Média móvel exponencial de 13 períodos;
  • 62.972 – Máxima do dia 07/03; e
  • 62.974 – Resistência proporcionada por um pequeno gap de baixa.

Sinais de Alta

A reação do touros (compradores) proporcionou bons sinais de alta neste pregão (11). A seguir algumas interessantes: BBDC4, GGBR4, ITAU4 e SDIA4.

Nota: Curso em Brasília – Inscrições abertas!

Até breve!

11.03.2008 | 0:56

IBOV – Rumo aos 59.000 pontos?

Publicado na(s) categoria(s) Notícias, por Dalton Vieira

Na análise semanal destaquei:

Após o fechamento abaixo dos 62.000 pontos o mais provável é que o IBOV teste a zona de suporte que vai de 61.271 a 60.716 (fechamento e mínima do dia 15/02, respectivamente). Um fechamento abaixo desta região de suporte poderá impulsionar uma queda até os 59.000 pontos.

Nesta segunda-feira (10) o Ibovespa fechou o dia em forte baixa de 3,02%, abaixo dos 60.000 pontos. O fechamento em 59.999 pontos superou consideravelmente a região de suporte supracitada do gráfico diário (figura ao lado). Este fato somado ao grande candle de baixa e o fechamento próximo a mínima do dia aumentam a probabilidade de ocorrer o teste do suporte em torno dos 59.000 pontos.

Oportunidades de curtíssimo prazo

O atual movimento de baixa do Ibovespa que já chega aos 6.000 pontos de queda pode revelar boas oportunidades de compra no curtíssimo prazo, principalmente ao se aproximar dos 59.000 pontos (importante região de suporte). O Clímax do IBOV e das 15 ações mais líquidas (MAS) de 2007 estão na região sobrevendida mais baixa desde agosto de 2007. Veja os gráficos a seguir:


Vamos acompanhar de perto para identificar as possíveis boas oportunidades da semana.

Importante: Curso em Brasília – Inscrições abertas!

Até breve!

 Página 1.182 de 1.225  « Primeira  ... « 1.181  1.182  1.183  1.184 » ...  Última »