Pular a navegação e ir direto para o conteúdo


Volatilidade

Volatilidade – Saiba o que é e qual sua importância no mercado

Entenda o conceito e quais são as informações importantes fornecidas por essa variável. Saiba também como obter a volatilidade das ações. Assista!

Mercados à Vista e Fracionário

Conheça os mercados à vista e fracionário e saiba suas principais diferenças

Saiba quais são as principais características dos mercados à vista e fracionário. Veja também como saber qual o lote padrão de um ativo. Assista!

Fim da Tendência de Baixa

Fim da Tendência de Baixa – Saiba como ocorre

Aprenda como uma tendência de baixa do preço é finalizada. Assista ao vídeo e entenda este importante conceito através de exemplos práticos na GFSA3 e AMBV3.

hs-candlesticks

Candlesticks – O que são e como são formados?

Saiba quais são as principais características e como fazer a leitura do comportamento do preço através do gráfico de Candlesticks. Assista ao vídeo!

Linha de Tendência de Alta

Linha de Tendência de Alta – O que é e quais são seus sinais gráficos

Saiba como traçar a LTA no gráfico de um ativo em tendência de alta. Descubra também quais são os sinais gráficos obtidos ao usar a LTA. Assista!


Blog

21.01.2008 | 10:52

Bolsas de Valores na Ásia e Europa – Queda livre

Publicado na(s) categoria(s) Ibovespa, Mercado, por Dalton Vieira

Hoje (21) é feriado (Martin Luther King Day) nos EUA, logo as bolsas de valores por lá estarão fechadas nesta data. Por outro lado, as bolsas pelo mundo estão abertas e simplesmente despencando. Os ursos (vendedores) abriram a semana com muito apetite.

As bolsas asiáticas fecharam o dia (21) em forte baixa. No Japão (Nikkei) a queda se aproximou dos 4% (3,86%) e na China (Shangai Composite) foi superior a 5%. Para piorar a situação as bolsas de valores na Europa operam em forte baixa. Na Inglaterra (FTSE 100) a queda está em torno de 3,5% e na Alemanha (DAX 30) 5,2%.

O cenário muito ruim de queda livre e o forte sinal de baixa do gráfico semanal aumentam a probabilidade do IBOV abrir a semana testando o suporte por volta dos 55.500 pontos, confirmando assim a divergência de baixa da LAD muito bem destacada pelo Marcelo através de um comentário na análise semanal.

Até breve!

19.01.2008 | 0:53

IBOV – Análise da semana: 14 a 18/01

Publicado na(s) categoria(s) Análises Semanais, Ibovespa, por Dalton Vieira


Plano de Bush desaponta investidores e bolsas dos EUA caem

NOVA YORK (Reuters) – As bolsas de valores dos Estados Unidos caíram pelo quarto dia seguido nesta sexta-feira, para fechar a pior semana do índice S&P 500 em cinco anos com a preocupação de que o esforço da Casa Branca para impulsionar a economia possa não evitar uma recessão.

“O medo é de que o plano, e mesmo o Fed, possa não ter poder de fogo suficiente para reverter o caminho da recessão”, disse Richard Sparks, analista de ações da Schaeffer’s Investment Research, em Cincinnati.


Gráfico Semanal

Na análise da semana anterior (07 a 11/01) comentei:

“…observe no gráfico ao lado que o fechamento desta semana “respeitou” a resistência proporcionada pela média móvel de 13 períodos (MME13). Este é um sinal de fraqueza dos touros (compradores).”

Com a fraqueza dos touros e força do ursos (vendedores) o Ibovespa terminou a semana em baixa de 7,16%. O candle desta semana representa um forte sinal de baixa, pois o fechamento em 57.506 pontos foi abaixo de importantes suportes. São eles:

  • 60.091 – Mínima da semana anterior;
  • 59.414 – Mínima da semana de 17 a 21/12;
  • 58.292 – Máxima da semana de 16 a 20/07 (princípio da mudança de polaridade); e
  • 58.095 – Mínima da semana de 26 a 30/11.

Este candle aumenta a probabilidade de ocorrer na(s) próxima(s) semana(s) o teste da região de suporte que vai de 55.600 a 53.690. O que reverteria este sinal de baixa? Um fechamento acima da máxima desta semana (62.536) e da média móvel de 13 períodos, o que é menos provável.

Gráfico Diário

Nesta sexta-feira (18), divergindo das bolas de valores dos EUA, o Ibovespa fechou em alta de 0,82% e deu uma pequena “aliviada” no estrago deixado pela queda dos 03 últimos pregões. Como podemos observar no gráfico ao lado, o movimento de baixa rompeu e fechou abaixo de 03 suportes proporcionados por fundos anteriores (60.091, 59.414 e 58.095 pontos). Estes mesmos suportes serão resistências para um possível movimento de alta.

A maior probabilidade é do Ibovespa testar o suporte em 55.566, o que pode ocorrer após uma retração (alta) do atual movimento de baixa.

Longo Prazo

Momentos de forte baixa são bons para adicionar ações na carteira de longo prazo (10 a 20 anos). Porém é importante que esta adição não seja realizada em uma única tacada. O ideal ao meu ver é ir realizando compras em doses homeopáticas, aumentando o volume da dose com a continuidade da queda do Ibovespa.

A seguir as regiões de suporte que considero interessantes para reforçar a carteira de longo prazo.

  1. Em torno dos 55.500 pontos, pois coincide com suportes nos gráficos diário (máxima do dia 04/09), semanal (abertura e fechamento de algumas semanas justamente nesta região) e mensal (média móvel de 13 períodos);
  2. Em torno dos 52.300 pontos. Coincide com suportes nos gráficos semanal (média móvel de 65 períodos) e diário (mínima do dia 10/09); e
  3. Se continuar caindo… em torno dos 48.500 pontos. Importante suporte do gráfico semanal.

Para este perfil de investimento é muito importante investir em empresas de fundamentos com boas perspectivas de crescimento, até porque o objetivo é deixar na carteira por um longo período. “Casar” as duas análises (técnica e fundamentalista) é uma boa alternativa para selecionar boas opções.

Desejo um excelente final de semana a todos!

18.01.2008 | 14:38

À espera de um pacote

Publicado na(s) categoria(s) Mercado, por Dalton Vieira

O mercado aguarda o pacote econômico que será anunciado à partir das 14:50h (horário de Brasília), visando socorrer a economia norte-americana. Hoje (18) as bolsas de valores asiáticas fecharam o dia em alta acima de 0,5%. As bolsas nos EUA e Europa operam até o momento em alta.

Neste embalo o Ibovespa opera em alta em torno de 1%. Agora vamos ver se após a fala do “todo poderoso” o mercado sustenta ou amplia a alta do dia para aliviar a queda na semana que até ontem (17) estava quase em 8%. Um suporte importante para o gráfico semanal está em 58.292 e 58.095 pontos. Será que fecha acima ou abaixo deste patamar? Vamos aguardar.


Bush fala nesta 6a sobre pacote econômico nos EUA

WASHINGTON (Reuters) – O presidente norte-americano, George W. Bush, falará nesta sexta-feira sobre como ajudar a frágil economia dos Estados Unidos, no momento em que ele e o Congresso, liderado pela oposição democrata, avançam no diálogo sobre um plano para impedir uma recessão no país.

A Casa Branca e o Capitólio discutem um pacote de até 150 bilhões de dólares, segundo fontes próximas ao assunto que não quiseram ser identificadas. Sob consideração estão incentivos fiscais para famílias e empresas e ajuda aos norte-americanos de baixa renda para enfrentar as mudanças.

Até breve!

17.01.2008 | 21:40

IBOV – Bernanke aumenta mau humor do mercado

Publicado na(s) categoria(s) Ibovespa, por Dalton Vieira

Na análise anterior mencionei que o Ibovespa havia quebrado a tendência de alta e rompido a faixa de negociação (congestão). Destaquei também:

A divergência de alta do Clímax do Ibovespa nesta região de suporte é um sinal de uma possível “recuperação” para o próximo pregão (17). Entretanto, vale ressaltar que os suportes superados nestes dois dias de queda servirão de resistências para uma possível alta do IBOV.

Nesta quinta-feira (17) o Ibovespa começou o dia até confirmando a divergência do Clímax com alta superior a 1%. No entanto, bastou o chairman do FED, Ben Bernanke, se pronunciar às 13hs para “azedar” as bolsas de valores pelo mundo. O IBOV reverteu a alta e fechou o dia em forte baixa de 2,96%.

Bernanke apóia pacote de estímulo fiscal para a economia

WASHINGTON (Reuters) – O chairman do Federal Reserve, Ben Bernanke, apoiou nesta quinta-feira os esforços de criação de um pacote de estímulo fiscal para a economia, e repetiu que o banco central norte-americano está pronto para atuar agressivamente para conter os riscos de recessão.

O chairman do Fed voltou a trazer uma avaliação desanimadora sobre a saúde da economia, como fez na semana anterior –o que foi visto como um sinal de que o banco central pode cortar o juro em 0,50 ponto percentual no final do mês.

“Recentemente, a informação que chega tem sugerido que o cenário sobre a atividade real em 2008 piorou e que os riscos ao crescimento se tornaram mais pronunciados”, disse.

O fechamento de hoje (17) em 57.036 pontos confirmou a quebra da tendência de alta e rompimento do suporte da congestão, destacados na análise anterior. O que havia sido sinalizado pela LAD (linha de avanços e declínios) na análise semanal publicada aqui no blog se confirmou ontem (16) e intensificou hoje.

O problema agora é que a LAD do Ibovespa perdeu um suporte do dia 10/09. Portanto é mais um sinal de que o IBOV pode romper o fundo deste dia em 52.320 pontos (valor de fechamento: 52.652), não necessariamente em um único movimento de baixa. O mais interessante é que este suporte (fundo) coincide com a projeção de queda após o rompimento do triângulo no dia 15, muito bem lembrada no comentário do Daniel Luchine aqui no blog. Antes deste suporte há outro em 55.566 proporcionado pela máxima do dia 04/09 (topo).

A seguir a LAD do Ibovespa contendo as marcações referentes ao parágrafo acima.

* O gráfico acima foi retirado do software de análise gráfica Winstockchart (site: www.winstockchart.com.br)

Até breve!

17.01.2008 | 0:22

IBOV – Rompimento do suporte da congestão

Publicado na(s) categoria(s) Ibovespa, por Dalton Vieira

Nesta quarta-feira (16) o Ibovespa fechou em baixa de 1,89%. O fechamento em 58.777 pontos foi:

  1. abaixo do suporte de fechamento (59.069) da congestão, ocorrido no dia 17/12; e
  2. abaixo do suporte proporcionado pelo fundo do dia 18/12.

A mínima (58.077) de hoje (16) também rompeu a mínima da congestão em 58.095 pontos, “quebrando” assim a tendência de alta do gráfico diário (figura ao lado). Ao chegar neste importante suporte ocorreu uma pressão compradora evitando o fechamento abaixo de 58.095 pontos.

A divergência de alta do Clímax do Ibovespa nesta região de suporte é um sinal de uma possível “recuperação” para o próximo pregão (17). Entretanto, vale ressaltar que os suportes superados nestes dois dias de queda servirão de resistências para uma possível alta do IBOV.

Palavra da vez: Recessão


Ex-chairman do Fed Volcker culpa BC dos EUA por “bolhas”

WASHINGTON (Reuters) – O ex-chairman do Federal Reserve Paul Volcker acredita que o banco central norte-americano é o culpado por permitir a formação de “bolhas” nos mercados, e diz que o atual chairman Ben Bernanke está em uma posição complicada.

“Eu acho que Bernanke está em uma situação muito difícil”, disse Volcker à New York Times Magazine, em matéria que será publicada no domingo. O jornal disponibilizou o texto para a imprensa com antecedência.

É caros amigos e investidores os sinais de que entraremos em um período de tendência de baixa no Ibovespa estão cada vez mais claros. Realmente, diversos autores de livros de investimentos tem razão quando dizem que ao aparecer com muita freqüência na TV, jornais e revistas o assunto “bolsa de valores”, este é o momento de ligar um alerta ou realizar lucros (encerrar posições abertas), pois a tendência de alta está próxima do fim. É um grande aprendizado que se absorve com a prática, ou seja, com o dia-a-dia no mercado.

Até breve!

16.01.2008 | 23:12

Entenda o indicador Clímax

Publicado na(s) categoria(s) Análise Técnica, Aprendizado, por Dalton Vieira

O Clímax é um indicador misto criado por Joseph Granville. Sua principal característica é aprensentar momentos em que o mercado, índices ou setores da economia está “sobrecomprado” ou “sobrevendido”.

O cálculo do Clímax é realizado através do saldo das ações que subiram e caíram no dia coerente com o OBV (On Balance Volume). Para exemplificar vamos pegar o índice Bovespa composto atualmente por 64 ações (até o abril/2008). Suponha-se que a ação da VALE5 fechou o dia em alta e seu OBV está acumulando, logo a VALE5 representará +1 no Clímax do Ibovespa.

  • Ação em alta + OBV acumulando = +1
  • Ação em baixa + OBV distribuindo = -1

Observe a seguir a figura demonstrando o cálculo do Clímax em uma determinada ação.

Nota: A figura acima foi extraída da ajuda do software de análise gráfica Winstockchart (site: www.winstockchart.com.br)

Desta forma, o cálculo do Clímax do Ibovespa é a soma dos resultados obtidos em cada ação, conforme explicado acima. Neste caso (IBOV) o valor diário obtido variará entre +64 e -64. Veja uma pequena amostragem desta soma.


O principal sinal do Clímax está na divergência de alta ou baixa na região sobrevendida ou sobrecomprada, respectivamente. O gráfico abaixo exibe uma divergência de alta do Clímax com o Ibovespa no dia 16/01.

* O gráfico acima foi retirado do software de análise gráfica Winstockchart (site: www.winstockchart.com.br)

A divergência de alta sinaliza uma possível alta do Ibovespa para o próximo pregão (17/01). Observe que os pontos onde ocorrem os picos (topos) e os vales (fundos) delimitam as regiões sobrecomprado e sobrevendido, que são os locais a se observar possíveis divergências.

Agora é acompanhar o Ibovespa para verificar se o sinal deixado pelo Clímax se confirma no próximo pregão (17). É importante ressaltar que este é mais um indicador para realizar a leitura do mercado, conforme a LAD. Portanto, este não representa um trade system, ou seja, a divergência de alta não representa por si só um momento para sair comprando. É apenas um sinal a se avaliar junto a outras análises.

Desejo sucesso nos estudos e investimentos. Até breve!

 Página 1.198 de 1.234  « Primeira  ... « 1.197  1.198  1.199  1.200 » ...  Última »